quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

cenário - marcello dinis . central de minas

este show aconteceu no teatro nansen araújo. sesiminas bh, em 05 de novembro de 2002. nesse dia foi gravado o cd marcello dinis central de minas ao vivo. teve também as imagens geradas pela rede minas.

momento coleções - personagem com chapéu de chuva

óleo sobre tela em relevo. 30x40cm. 1999. coleção joana guimarães barone

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

papelaria - capa e c/capa - de milena, circo e sonhos

1975, ilustrava o suplemento literário, quando fiz os desenhos pra 1 capítulo do livro que acabara de ganhar o prêmio guimarães rosa. o autor que também dava uma entrevista para o suplemento, o antônio césar drumond amorim, gostou das ilustrações da matéria e me convidou a ilustrar o livro; estas são, a capa e a contra capa, fiz também um conjunto de ilustrações, e uma delas já foi publicada aqui no papel elétrico em 26 de julho de 2010

domingo, 12 de dezembro de 2010

parabéns belo horizonte

algumas noturnas para comemorar. acima: detalhe da de baixo
noturno para belo horizonte. 145x200cm. 2007.
noturno para uma noturna bhz. 120x340cm. 1993. coleção museu histórico abílio barreto
noturna sensual, 30x35cm. 1987. coleção taís ferreira
morro do papagaio favela santa lúcia 120x100cm 1993. coleção flavão
noturna n° 5 1999, 40x70cm. coleção lúcio ventania
noturninha para bh. 74x30cm. 2010. coleção caio moreira

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

domingo, 28 de novembro de 2010

papel elétrico três anos

hoje o papel elétrico completa três anos no ar. essa imagem é uma das três que fizeram parte do primeiro post do blog.
veja mais detalhes na postagem de 28 de novembro de 2007.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

momento musical . toninho horta. manuel o audaz

video

em 90, fiz os cenários da segunda ou terceira temporada do programa arrumação, que foi exibido durante algum tempo pela rede minas. achei este vídeo relativo a esse período na internet e compartilho-o aqui com vocês.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

intermezzo XIX - os porões da privataria. amaury ribeiro jr.

amaury é hoje o jornalista mais em posição delicada no país. aqui, numa foto minha: helcio zolini, eri gomes e o amaury, no café urrubu. publico este post aqui no papel elétrico em solidariedade a esse profissional que admiro e respeito também pelo seu trabalho de repórter investigativo, que lhe deu mais de 20 prêmios, dentre eles, 3 prêmios esso e 4 wladimir herzog. ele está desde 2002 fazendo o livro os porões da privataria e agora está sendo indiciado em 4 processos, pela polícia federal, sómente por um trecho do livro que caiu em evidência nesse período pré eleição, com a lama revolvida e logo abafada. e como a corda sempre arrebenta pro lado mais fraco... passo a vocês o linque para que leiam a íntegra do depoimento dele a polícia federal, para que você leia e tire suas próprias conclusões, porque independente das posições políticas, um profissional está sendo acuado por conta de seu trabalho jornalístico investigativo.
Os porões da privataria

livro de Amaury Ribeiro Jr.
Introdução (reproduzido do Conversa Afiada, do Paulo Henrique Amorim)
Quem recebeu e quem pagou propina. Quem enriqueceu na função pública. Quem usou o poder para jogar dinheiro público na ciranda da privataria. Quem obteve perdões escandalosos de bancos públicos. Quem assistiu os parentes movimentarem milhões em paraísos fiscais. Um livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr., que trabalhou nas mais importantes redações do País, tornando-se um especialista na investigação de crimes de lavagem do dinheiro, vai descrever os porões da privatização da era FHC. Seus personagens pensaram ou pilotaram o processo de venda das empresas estatais. Ou se aproveitaram do processo. Ribeiro Jr. promete mostrar, além disso, como ter parentes ou amigos no alto tucanato ajudou a construir fortunas. Entre as figuras de destaque da narrativa estão o ex-tesoureiro de campanhas de José Serra e Fernando Henrique Cardoso, Ricardo Sérgio de Oliveira, o próprio Serra e três de seus parentes: a filha Verônica Serra, o genro Alexandre Bourgeois e o primo Gregório Marin Preciado. Todos eles, afirma, têm o que explicar ao Brasil. Ribeiro Jr. vai detalhar, por exemplo, as ligações perigosas de José Serra com seu clã. A começar por seu primo Gregório Marin Preciado, casado com a prima do ex-governador Vicência Talan Marin. Além de primos, os dois foram sócios. O “Espanhol”, como Marin é conhecido, precisa explicar onde obteve US$3,2 milhões para depositar em contas de uma empresa vinculada a Ricardo Sérgio de Oliveira, homem-forte do Banco do Brasil durante as privatizações dos anos de 1990. E continuará relatando como funcionam as empresas offshores semeadas em paraísos fiscais do Caribe pela filha – e sócia — do ex-governador, Verônica Serra, e por seu genro, Alexandre Bourgeois. Como os dois tiram vantagem das suas operações, como seu dinheiro ingressa no Brasil… Atrás da máxima “siga o dinheiro!”, Ribeiro Jr perseguiu o caminho de ida e volta dos valores movimentados por políticos e empresários entre o Brasil e os paraísos fiscais do Caribe, mais especificamente as Ilhas Virgens Britânicas, descoberta por Cristóvão Colombo em 1493 e por muitos brasileiros espertos depois disso. Nestas ilhas, uma empresa equivale a uma caixa postal, as contas bancárias ocultam o nome do titular e a população de pessoas jurídicas é maior do que a de pessoas de carne e osso. Não é por acaso que todo dinheiro de origem suspeita busca refúgio nos paraísos fiscais, onde também são purificados os recursos do narcotráfico, do contrabando, do tráfico de mulheres, do terrorismo e da corrupção. A trajetória do empresário Gregório Marin Preciado, ex-sócio, doador de campanha e primo do candidato do PSDB à Presidência da República, mescla uma atuação no Brasil e no exterior. Ex-integrante do conselho de administração do Banco do Estado de São Paulo (Banespa), então o banco público paulista, nomeado quando Serra era secretário de Planejamento do governo estadual, Preciado obteve uma redução de sua dívida no Banco do Brasil de R$448 milhões(1) para irrisórios R$4,1 milhões. Na época, Ricardo Sérgio de Oliveira era diretor da área internacional do BB e o todo-poderoso articulador das privatizações sob FHC. (Ricardo Sérgio é aquele do “estamos no limite da irresponsabilidade. Se der m…”, o momento Péricles de Atenas do Governo do Farol – PHA) Ricardo Sérgio também ajudaria o primo de Serra, representante da Iberdrola, da Espanha, a montar o consórcio Guaraniana. Sob influência do ex-tesoureiro de Serra e de FHC, mesmo sendo Preciado devedor milionário e relapso do BB, o banco também se juntaria ao Guaraniana para disputar e ganhar o leilão de três estatais do setor elétrico (2). O que é mais inexplicável, segundo o autor, é que o primo de Serra, imerso em dívidas, tenha depositado US$3,2 milhões no exterior por meio da chamada conta Beacon Hill, no banco JP Morgan Chase, em Nova Iorque. É o que revelam documentos inéditos obtidos dos registros da própria Beacon Hill em poder de Ribeiro Jr. E mais importante ainda é que a bolada tenha beneficiado a Franton Interprises. Coincidentemente, a mesma empresa que recebeu depósitos do ex-tesoureiro de Serra e de FHC, Ricardo Sérgio de Oliveira, de seu sócio Ronaldo de Souza e da empresa de ambos, a Consultatun. A Franton, segundo Ribeiro, pertence a Ricardo Sérgio. A documentação da Beacon Hill levantada pelo repórter investigativo radiografa uma notável movimentação bancária nos Estados Unidos realizada pelo primo supostamente arruinado do ex-governador. Os comprovantes detalham que a dinheirama depositada pelo parente do candidato tucano à Presidência na Franton oscila de US$17 mil (3 de outubro de 2001) até US$375 mil (10 de outubro de 2002). Os lançamentos presentes na base de dados da Beacon Hill se referem a três anos. E indicam que Preciado lidou com enormes somas em dois anos eleitorais – 1998 e 2002 – e em outro pré-eleitoral – 2001. Seu período mais prolífico foi 2002, quando o primo disputou a Presidência contra Lula. A soma depositada bateu em US$1,5 milhão. O maior depósito do endividado primo de Serra na Beacon Hill, porém, ocorreu em 25 de setembro de 2001. Foi quando destinou à offshore Rigler o montante de US$404 mil. A Rigler, aberta no Uruguai, outro paraíso fiscal, pertenceria ao doleiro carioca Dario Messer, figurinha fácil desse universo de transações subterrâneas. Na operação Sexta-Feira 13, da Polícia Federal, desfechada no ano passado, o Ministério Público Federal apontou Messer como um dos autores do ilusionismo financeiro que movimentou, por intermédio de contas no exterior, US$20 milhões derivados de fraudes praticadas por três empresários em licitações do Ministério da Saúde. O esquema Beacon Hill enredou vários famosos, dentre eles o banqueiro Daniel Dantas. Investigada no Brasil e nos Estados Unidos, a Beacon Hill foi condenada pela justiça norte-americana, em 2004, por operar contra a lei. Percorrendo os caminhos e descaminhos dos milhões extraídos do País para passear nos paraísos fiscais, Ribeiro Jr. constatou a prodigalidade com que o círculo mais íntimo dos cardeais tucanos abre empresas nestes édens financeiros sob as palmeiras e o sol do Caribe. Foi assim com Verônica Serra. Sócia do pai na ACP Análise da Conjuntura, firma que funcionava em São Paulo em imóvel de Gregório Preciado, Verônica começou instalando, na Flórida, a empresa Decidir.com.br, em sociedade com Verônica Dantas, irmã e sócia do banqueiro Daniel Dantas, que arrematou várias empresas nos leilões de privatização realizados na era FHC. Financiada pelo Banco Opportunity, de Dantas, a empresa possui capital de US$5 milhões. Logo se transfere com o nome Decidir International Limited para o escritório do Ctco Building, em Road Town, ilha de Tortola, nas Ilhas Virgens Britânicas. A Decidir do Caribe consegue trazer todo o ervanário para o Brasil ao comprar R$10 milhões em ações da Decidir do Brasil.com.br, que funciona no escritório da própria Verônica Serra, vice-presidente da empresa. Como se percebe, todas as empresas têm o mesmo nome. É o que Ribeiro Jr. apelida de “empresas-camaleão”. No jogo de gato e rato com quem estiver interessado em saber, de fato, o que as empresas representam e praticam é preciso apagar as pegadas. É uma das dissimulações mais corriqueiras detectada na investigação. Não é outro o estratagema seguido pelo marido de Verônica, o empresário Alexandre Bourgeois. O genro de Serra abre a Iconexa Inc no mesmo escritório do Ctco Building, nas Ilhas Virgens Britânicas, que interna dinheiro no Brasil ao investir R$7,5 milhões em ações da Superbird.com.br que depois muda de nome para Iconexa S.A. Cria também a Vex capital no Ctco Building, enquanto Verônica passa a movimentar a Oltec Management no mesmo paraíso fiscal. “São empresas-ônibus”, na expressão de Ribeiro Jr., ou seja, levam dinheiro de um lado para o outro. De modo geral, as offshores cumprem o papel de justificar perante ao Banco Central e à Receita Federal a entrada de capital estrangeiro por meio da aquisição de cotas de outras empresas, geralmente de capital fechado, abertas no País. Muitas vezes, as offshores compram ações de empresas brasileiras em operações casadas na Bolsa de Valores. São frequentemente operações simuladas tendo como finalidade única internar dinheiro nas quais os procuradores dessas offshores acabam comprando ações de suas próprias empresas… Em outras ocasiões, a entrada de capital acontecia pelos sucessivos aumentos de capital da empresa brasileira pela sócia cotista no Caribe, maneira de obter do BC a autorização de aporte do capital no Brasil. Um emprego alternativo das offshores é usá-las para adquirir imóveis no País. Depois de manusear centenas de documentos, Ribeiro Jr. observa que Ricardo Sérgio, o pivô das privatizações – que articulou os consórcios usando o dinheiro do BB e do fundo de previdência dos funcionários do banco, a Previ, “no limite da irresponsabilidade”, conforme foi gravado no famoso “Grampo do BNDES” –, foi o pioneiro nas aventuras caribenhas entre o alto tucanato. Abriu a trilha rumo às offshores e às contas sigilosas da América Central ainda nos anos de 1980. Fundou a offshore Andover, que depositaria dinheiro na Westchester, em São Paulo, que também lhe pertenceria… Ribeiro Jr. promete outras revelações. Uma delas diz respeito a um dos maiores empresários brasileiros, suspeito de pagar propina durante o leilão das estatais, o que sempre desmentiu. Agora, porém, existe evidência, também obtida na conta Beacon Hill, do pagamento da US$410 mil por parte da empresa offshore Infinity Trading, pertencente ao empresário, à Franton Interprises, ligada a Ricardo Sérgio. (1) A dívida de Preciado com o Banco do Brasil foi estimada em US$140 milhões, segundo declarou o próprio devedor. Esta quantia foi convertida em reais tendo-se como base a cotação cambial do período de aproximadamente R$3,2 por um dólar. (2) As empresas arrematadas foram a Coelba, da Bahia, a Cosern, do Rio Grande do Norte, e a Celpe, de Pernambuco

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

perda irreparável

tia dolores, sangue alemão na química dos abreus. minha tia querida lá do sul. as melhores caipirinhas que já tomei em minha vida, num imenso aconchego familiar. deixa-nos tristes e com muitas saudades minha tia.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

terça-feira, 5 de outubro de 2010

credi-quadro - mais informações

A idéia partiu de Gilberto de Abreu e Denio Albertini no começo dos anos 90. Consistia de fazer uma mostra e convidar os amigos e os amigos dos amigos que gostariam de ter ou ver um quadro do Gilberto, tivessem a oportunidade de fazê-lo, dividindo o seu pagamento no popular “10 prestações mensais”. Nesse primeiro Credi-quadro o Gilberto inaugurava o seu ateliê na casa do Denio. A casa foi preparada para uma exposição, boas luzes em boas paredes, e foi um grande momento. Após mais dois eventos inaugurando novos ateliês o Credi-quadro que tem como característica ser uma exposição dentro de casas/ateliês, e irem amigos e amigos dos amigos foi transportada para o restaurante La Brace em 2002 com um ótimo resultado. Agora após mais alguns Credi-quadros em casas ateliês, segue para o Pimenta Malagueta, O Pimenta Malagueta fica em Macacos à rua Dona Maria da Glória 529, centro, e é um bar amplo, tendo dois ambientes; um interno e outro aberto coberto por um toldo na forma de uma lona de circo. Os quadros serão exibidos simultaneamente nos dois espaços. As obras que serão expostas e disponibilizadas compreendem várias épocas de trabalho do artista, todas em óleo sobre tela. Haverá também além de livros do autor, cópias da gravura que foi capa do álbum Sol de Primavera do músico Beto Guedes, isso ambientado numa trilha sonora especialmente gravada junto a ininterruptos slides de quadros do artista. O bar e restaurante Pimenta Malagueta, ao seu cardápio normal, acrescentará frios e vinhos para dar bons climas de um vernissage. Mostra Credi-quadro Abertura: 20 horas Dia 8 de outubro de 2010 Local: Pimenta Malagueta Rua dona Maria da Glória 529 Centro – S. Sebastião das Águas Claras, (macacos) Tels info: 31- 3547 7141 31- 8436 6883 Gilberto de Abreu 31 – 8678 9223 gilbertodeabreubr@gmail.com http://www.gilbertodeabreubr.blogspot.com/

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

credi-quadro no pimenta malagueta

o credi-quadro é uma onda que eu e o dênio albertini fizemos em 90, para inaugurar meu ateliê na sua casa à rua conde de linhares 580. com uma boa iluminação geral fiz uma exposição por quase toda a casa e num evento para os amigos e amigos dos amigos, o dênio vendeu os quadros por até 10 prestações mensais. três credi-quadros depois vamos fazer um agora sexta feira no pimenta malagueta, que é um bar muito agradável em macacos com um bom espaço aberto e aspectos de circo, o que propicia uma montagem diferente, muito boa para uma noite visual.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

momento coleções - no momento sem palavras

látex e acrílica sobre tecido, 120x140 cm. 1980/92. coleção marcinha braz. veja história deste quadro e de outros gerados do painel de 8x8 metros que foi cenário de, a princípio vários shows do lô borges e... bem, veja tudo clicando no linque a seguir:

terça-feira, 28 de setembro de 2010

campo magnético - página 14

mais uma página do livro campo magnético. mais uma filmogravura, já que as cores são resultados de desenhos gravados no filme manualmente, (veja o processo em postagens de fins de 08 começo de 2009, aqui mesmo no papel elétrico)

sábado, 25 de setembro de 2010

profissional liberal

esta hq começou da vontade que eu tinha em brincar com um dos símbolos que sempre via nos quadrinhos mais antigos; o de um serrote serrando um pedaço de um tronco, para dizer que o personagem estava dormindo. a partir daí ela foi se desenvolvendo. juntei a ela o poema que eu já havia feito e que dá nome a hq. este quadrinhos está no meu livro campo magnético.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

momento coleções - leite materno neles

óleo sobre tela de 2004, da série leite materno, 50x100cm. coleção guilherme dumont

formações - cia noturna bhz (2)

rafael abreu, gilberto de abreu, luna cohen e kimura schetino. com essa formação fizemos algumas apresentações no ateliê bar.
na sequencia outros artistas foram se agregando à cia noturna bhz nas apresentações nesse espaço (veja post de 1 de julho, e veja também outra formação da cia no post de 21 de abril de 2010).
foto lincoln continentino

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

pequena tempestade

óleo sobre tela, 2007, aqui num detalhe com quase todo o quadro. pequena tempestade é da família das chuvas, e no momento está em nyc como parte da exposição points of light (ver em algumas postagens de 2007 aqui no papel elétrico).

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

momento papelaria - cartaz . até quando isso vai continuar?... até você parar de pensar que isso é apenas desenho

cartazete da exposição coletiva de humberto guimarães, gilberto de abreu, marcos benjamim e luis maia na redação da revista inéditos, em bh, 1976.
criação e execução coletiva.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

momento coleções - um certo voo

óleo sobre tela de 50x70cm. data indeterminada, visto que foi começado em um ano e foi se transformando até ser finalizado em outro, alguns anos depois. tudo isso durante a década de oitenta. coleção gonçalo de abreu.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

a sala de aula da cor invisível







essa performance eu já a havia realizado uma vez, numa praça no bairro santo agostinho, bh, num evento da saudosa marchand maria amélia, a meméia. nessa primeira apresentação contei com o som dos dois saxs do; rúbio tiso e do pichué.
nessa apresentação acima, que foi no centro de vivência, da universidade federal de viçosa, fomos; eu, tattá spalla, rúbio tiso e rafael abreu ainda adolescente. em viçosa encontramos o roger que estava acompanhando na bateria o phil mendez, o baixista coelho recém vindo da berckley e o luciano cintra morando em viçosa e que já havíamos feito alguma coisa antes e lá mesmo na abertura de uma exposição minha, alguma coisa aqui no papel elétrico: http://gilbertodeabreubr.blogspot.com/2010/05/intermezzo-xv-bau-meio-abertura.html
a sala de aula da cor invisível consiste em pintar um quadro com interação do público. para isso a cada cor que eu iria trabalhar eu pedia uma determinada emoção do público e a banda também tocava um tema nessa dinâmica e frequência, isso indo a uma apoteose final. fotos: magú